Humberto Teixeira

40 anos sem o doutor do baião

Eduardo Weber 04/09/19 14:42 - Atualizado em 04/09/19 14:44

Humberto Teixeira (Descrição)

O personagem desta edição nasceu numa pequena cidade do centro sul do Ceará, Iguatu, região do Cariri, no ano de 1916. Vindo de família de músicos, se interessou pelo som dos violeiros. Acabou aprendendo bandolim e flauta e que fez criar valsas, todas, modinhas e canções que ficaram perdidas no tempo.

 

Tudo mudou para Humberto Teixeira quando Luiz Gonzaga apareceu procurando um nome que dominasse versos para a música que ele trazia da serra do Araripe. Palavras de Luiz Gonzaga: "Humberto Teixeira era compositor, mas um compositor muito prolixo. Ele só queria fazer coisas exuberantes. Então eu comecei a lhe mostrar as minhas coisas, as coisas do sertão que ele não conhecia. Humberto era sertanejo, mas não tinha a necessária vivência do sertão. Estudou em Fortaleza e se formou no Rio. Quer dizer, de sertão mesmo ele só conhecia de ouvir dizer. Então eu lhe contei minhas histórias que ele transformou em poesia pura”.

 

O Estúdio F,ao focalizar Humberto Teixeira,conta a história do baião, gênero musical que foi uma febre no Brasil a partir da segunda metade dos anos 1940. No repertório deste Estúdio F tem os clássicos “Asa Branca”, “Baião”, “Qui nem jiló”, “Respeita Januário” e “No meu pé serra”. O programa também retrata o compositor de samba-canção (“Deus me perdoe”) e até mesmo criador de jingles políticos, caso da música “Paraíba”, feita para o candidato derrotado ao Senado Dr. Pereira Lima. Tem ainda “Kalu”, “Adeus Maria Fulô”, “Dono de teus olhos” e a pouco conhecida “Dona Santa não é santa”.

 

Vale encerrar com palavras de Humberto Teixeira sobre Luiz Gonzaga: "Enquanto Luiz continuou cantando, tornei-me dirigente de sociedade de autores, exportador da nossa música popular, advogado, especialista em direito autoral e legislador na Câmara Federal levado pelo bico da asa branca. Na verdade nenhuma dessas funções logrou obter aquela compensação interior que só a música na sua fase de criação soube me dar".

 

Humberto Teixeira faleceu há 40 anos, em 03 de outubro de 1979, no Rio de Janeiro.

______________________________________________________________________________

Quarta-feira, 04 de setembro de 2019, às 9 e às 17 horas.

Domingo, 08 de setembro de 2019, às 21 horas.

Apresentação: Pedro Paulo Malta

O cmais+ é o portal de conteúdo da Cultura e reúne os canais TV Cultura, UnivespTV, MultiCultura, TV Rá-Tim-Bum! e as rádios Cultura Brasil e Cultura FM.

Visite o cmais+ e navegue por nossos conteúdos.