Dos festivais aos confetes e serpentinas

Produtor destaca o novo CD de Maria Alcina, cantora surgida nacionalmente no FIC de 1972 quando interpretou 'Fio Maravilha'.

da redação 30/04/10 12:20 - Atualizado em 30/04/10 12:20

A cantora Maria Alcina posa para a divulgação de seu disco confete e serpentina. (Feco Hamburger)

“Foi no sétimo Festival Internacional da canção da Rede Globo em 1972, que Solano Ribeiro lançou Maria Alcina. Na época causou sensação com “Fio Maravilha”, de Jorge Ben (hoje Benjor) e foi a revelação daquele festival. O tempo passou, as águas passaram. Fio, o maravilha, deu lugar a outros pés: Ronaldos, Kaká, Pato e todos que a bola encantaram a galera. Hoje maravilha se chama Neymar. Maria Alcina não parou no tempo e, depois de muitas estradas cheias de buracos e pedágios, foi buscar propostas para o registro que lança em 2010”.

Esse é o texto de abertura que Solano Ribeiro escreveu para comentar o CD Maria Alcina, confete e serpentina.

Nesta edição, Solano Ribeiro também mostra o trabalho de Roney Giah, que lança o CD Queimando a moleira, seu quarto trabalho.

Tem ainda uma miniparada de sucessos, na qual o apresentador mostra o “lado b” de trabalhos assinados por Bárbara Rodrix, Rodrigo Campos e Silvério Pessoa.



[ ] Apresentado no dia 2 de maio de 2010.

O cmais+ é o portal de conteúdo da Cultura e reúne os canais TV Cultura, UnivespTV, MultiCultura, TV Rá-Tim-Bum! e as rádios Cultura Brasil e Cultura FM.

Visite o cmais+ e navegue por nossos conteúdos.