Caipira-vanguardista de voz teatral

Apaixonada pelos Fab Four, sonhava em encontrá-los nas ruas de Londres

da redação 01/01/10 00:00 - Atualizado em 01/01/10 00:00

As reuniões familiares cantantes foram fundamentais para Suzana Salles. Em casa, tocou muita música caipira fazendo duetos com a irmã. Mais tarde, o repertório acabou virando CD.

Começou a cantar no Comunicantus, coral da ECA/USP, ao lado de Vânia Bastos e Hermelino Neder. “O que eu mais gostava de fazer na faculdade de Jornalismo era cantar. Toda quinta-feira à noite eu faltava na aula e ia cantar. Não sei como eu não percebi que seria cantora, demorei mesmo pra perceber”, lembra.

Integrou a Vanguarda dos anos 1980. Cantou “Diversões eletrônicas” com a banda de Arrigo no Festival da TV Cultura, 1979. Foi casada com um alemão, aprendeu o idioma e estreou carreira-solo em Berlim interpretando Kurt Weill.

Suzana Salles é apaixonada por Beatles. Sonhava em encontrá-los nas ruas de Londres. Lá, formou repertório em espaços de música contemporânea. Assistiu concertos de Berio e Boulez, além de grupos de música indiana. Hoje ouve música clássica e CDs de amigos. “Nunca deixo de ouvir Jobim, Chico Buarque e Caetano. Matita perê é meu CD de cabeceira”.

“Você tem um lado cênico-performático. Sua voz é diferente, denota um aspecto teatral na sua interpretação”, define Arrigo.

Este papo-entrevista entre amigos (gravado em 2005) é entremeado com a música dos pigmeus da Floresta Ituri, África Central. Numa loja de sapatos (Suzana Salles é amante de sapatos), as pessoas acharam a gravação de campo “bem diferente” e a associaram aos índios do Brasil. “Não é um som que eu compraria”, disse uma senhora.



[ ] Programa apresentado no dia 1º de janeiro de 2010.

O cmais+ é o portal de conteúdo da Cultura e reúne os canais TV Cultura, UnivespTV, MultiCultura, TV Rá-Tim-Bum! e as rádios Cultura Brasil e Cultura FM.

Visite o cmais+ e navegue por nossos conteúdos.