Futuros desejáveis

Ela agitou a cena cultural paulistana nos anos 1980, trabalhou com artes e espetáculos até o início dos anos 90 e hoje é consultora transdisciplinar.

da redação 07/05/10 15:37 - Atualizado em 07/05/10 15:37

Transdisciplinaridade é o negócio da Lala Deheinzlein. (Divulgação)

Ela tem sobrenome impronunciável e é consultora transdisciplinar. Começou como modelo-bebê, aos dois anos de idade. Queria mudar o mundo, estudou biologia e história. Fez filmes, novelas, apresentou programas de TV. Dançou, dirigiu peças e shows musicais.

Personagem paulistana dos oitenta, frequentou (e agitou) a cena cultural. Coreógrafa num tempo em que não se falava em dança-teatro, ela reuniu no mesmo palco nomes da dança e do teatro. Também do vídeo, da performance, das artes plásticas e da música. Em 1981, aos 22 anos, dirigiu espetáculo a partir de “Clara Crocodilo”, obra de Arrigo, e se especializou em direção multimídia.

Depois, deixou a criação para atuar na cultura como estratégia de transformação. Economia criativa, desenvolvimento sustentável e futuro são palavras de ordem para a consultora da ONU.

“Hoje, o intangível (cultura, conhecimento e criatividade) passa a ser central”, diz Lala. “O intangível é infinito e sendo infinito pode gerar outras relações, outra política e outra economia”, profecia.

A conversa que leva ao futuro é justaposta a uma composição de um passado distante. Uma obra transcendental de Hildegard von Bingen (Alemanha, século 12) foi ouvida pelos produtores da Eletrocooperativa – chamadas criativas na Vila Madalena, em São Paulo.



[ ] Apresentado no dia 7 de maio de 2010.

O cmais+ é o portal de conteúdo da Cultura e reúne os canais TV Cultura, UnivespTV, MultiCultura, TV Rá-Tim-Bum! e as rádios Cultura Brasil e Cultura FM.

Visite o cmais+ e navegue por nossos conteúdos.