Neuza Pinheiro, pele e osso

Poeta, cantora, compositora, Neuza Pinheiro é interlocutora de Arrigo desde o Paraná. Defendeu “Diversões eletrônicas” e “Infortúnio” no Festival Universitário da TV Cultura, de 1979.

da redação 25/12/09 00:00 - Atualizado em 25/12/09 00:00

“A minha poesia é muito intuitiva. Às vezes, pinta uma palavra que depois eu vou procurar o sentido. É uma questão de sonoridade.”

Um soluço ao silêncio
Que a falha brusca
Salve a musa
E solte a música


Sua primeira imagem poética foi da avó fumando cachimbo: fumaça contra o céu. Aos seis anos de idade, caminhando descalça, saiu para comprar pão (a pedido da mãe). Conheceu Ângela Maria cantando “Babalu”, que soava numa loja de discos. Chorou. “Foi um dos sentimentos mais fortes que eu tive.”

Poeta, cantora, compositora, Neuza Pinheiro é interlocutora de Arrigo desde o Paraná. Defendeu “Diversões eletrônicas” e “Infortúnio” no Festival Universitário da TV Cultura, de 1979. No mesmo ano, ganhou o prêmio de melhor intérprete com “Sabor de veneno”, também de Arrigo.



“A primeira vez que eu vi que você tinha talento para escrever foi no Festival em Londrina, com Arrancação”, lembra Arrigo. “Música sob influência do meu pai, que era seresteiro”, diz Neuza.

Nesta edição de estúdio, Neuza em poesia, voz e violão, relembra suas histórias e canções. Incluindo as colaborações com Itamar, Leminsky e muito mais.



[ ] Programa apresentado no dia 25 de dezembro de 2009.

O cmais+ é o portal de conteúdo da Cultura e reúne os canais TV Cultura, UnivespTV, MultiCultura, TV Rá-Tim-Bum! e as rádios Cultura Brasil e Cultura FM.

Visite o cmais+ e navegue por nossos conteúdos.