Frevo é frever

Edição compila frevos de rua com Armandinho e Orquestra de Cordas Dedilhadas de PE, a versões personalizadas de Tom e Vinicius. Com depoimento do maestro Spok, criador da Spok Frevo Orquestra.

Lia Machado Alvim 18/02/12 11:15 - Atualizado em 18/02/12 11:15

“Frevo: efervescência, agitação, confusão, rebuliço, apertão nas reuniões de grande massa popular no seu vai-e-vem em direções opostas como pelo Carnaval.”
(Vocabulário Pernambucano de Pereira da Costa)


O frevo impera no Carnaval do Recife e o "Todos os Sons" reúne algumas composições que resultaram nas mais variadas leituras do gênero na música instrumental, principalmente no frevo de rua, criado para ser dançado e que não possui letra.

De um carnavalesco nato, Armandinho, em parceria com Luiz Brasil – “Jazziquifrevo”; com a Orquestra de Cordas Dedilhadas de Pernambuco – “Lembranças do Recife", tema de um conhecedor do assunto, Rossini Ferreira; ao violonista e maestro Mário Adnet, que mostra um frevo estilizado feito nos anos 1950 por Tom Jobim e Vinicius de Moraes – “Frevo de Orfeu”; além da Orquestra Tabajara de Severino Araújo e sua interpretação de “Vassourinhas”, de Mathias Rocha e Joana Ramos. Ainda tem Léa Freire e Joyce que criaram uma versão de frevo – “Freevo”.

O maestro Spok, pai da Spok Frevo Orquestra, comenta as definições que o frevo ganhou ao longo de pouco mais de 100 anos, suas divisões, como frevo de rua, frevo-canção e frevo de bloco e, também, fala dos sete mestres do frevo que vivem e tocam ainda hoje em Pernambuco.
 

 _______________

Todos os Sons
Frevo é frever

Apresentado originalmente na RCB em 5 de março de 2011
Apresentação e produção: Lia Machado Alvim

O cmais+ é o portal de conteúdo da Cultura e reúne os canais TV Cultura, UnivespTV, MultiCultura, TV Rá-Tim-Bum! e as rádios Cultura Brasil e Cultura FM.

Visite o cmais+ e navegue por nossos conteúdos.


voltar ao topo